Crescimento     « voltar

ANTROPOMETRIA: Peso – Estatura – Perímetros:

Cefálico – Torácico, Abdominal e Braquial

 

 

Peso: ganho ponderal médio esperado

Faixa etária pediátrica

Ganho de peso esperado por mês

Ganho de peso esperado por dia

 

 

 

No 1º trimestre

                700 gramas

                    25 a 30 g

No 2º trimestre

600 gramas

20 a 25 g

No 3º trimestre

500 gramas

15 a 20 g

No 4º trimestre

400 gramas

10 a 15 g

Idade da criança

Ganho de peso esperado por ano

 

 

No 2º ano de vida

2,5 Kg

Do 3º ao 5º ano de vida

2,0 Kg

Do 6º ao 10º ano de vida

3,0 Kg

 

 

Dos 2 aos 8 anos funciona: P = 2 x idade (em anos) + 9

Dos 3 aos 12 meses funciona: P = 0,5 x idade (em meses) + 4,5

Nos primeiros dias de vida, há uma perda normal de até 10% do peso do nascimento, o qual deve estar recuperado no décimo dia de vida. O peso dobra aos 4 para os 5 meses, triplica com 1 ano e quadruplica com 2 anos de idade.

O peso constitui uma medida de grande valor com índice do estado nutritivo. Uma observação isolada no entanto tem

valor relativo devendo-se valorizar sempre a curva ponderal.

 

 

Estatura: ganho estatural médio esperado

Idade

Nascimento

1º semestre

2º semestre

2º ano

3º ao 5 º ano

6º ao 10º ano

 

 

 

 

 

 

 

Crescimento

50 cm

15 cm

10 cm

12 cm

7cm/ano

6 cm/ano

Medida mais fiel que o peso para se detectar anormalidades, porém menos prática e menos sensível. As alterações aparecerão mais tardiamente do que em relação ao peso. Maior valor da curva obtida por uma série de observações

do que uma observação isolada.

Quando afetada por fatores ambientais, a estatura sofre mais tardiamente os efeitos do que o peso, mas também sua recuperação é mais lenta.

Até 2 anos: predomínio de fatores ambientais Dos 2 aos 4 anos: há equilíbrio

Acima dos 4 anos: predomínio da hereditariedade, especialmente na puberdade.

Evolução dinâmica do crescimento:

Velocidade de crescimento (Turner): a velocidade na fase de crescimento constante (3 a 12 anos) é de 6 a 6,5 cm/ano;

O estirão é um período de aceleração que ocorre em todas as crianças que varia de intensidade e duração. O estirão

do crescimento na puberdade, se inicia aproximadamente aos 10 anos nas meninas e aos 12 anos nos meninos. No

estirão da puberdade a criança aumenta progressivamente até atingir 9,5 a 10,5 cm/ano.

Fórmula Prática para o cálculo aproximado da altura ideal dos 3 aos 11 anos de idade

E = (n – 3) x 6 + 95 n = idade em anos

 

 

Perímetro cefálico: medidas no primeiro ano de vida

Faixa etária

RN

3 meses

6 meses

9 meses

1 ano

 

 

 

 

 

 

Valor do PC

34 – 35 cm

40 cm

42 – 43 cm

44,5 cm

45 – 46

Aumento PC cm/mês

2 cm

1 cm

0,5 cm

0,5 cm

A medição do períodica do PC até os 3 anos de vida, quando atinge o valor médio máximo de 49,5 cm,

principalmente no primeiro ano, é de grande importância para a monitorização do crescimento craniano.

Reflete o crescimento do cérebro em condições fisiológicas ou traduz um crescimento patológico

( tumor, hidrocefalia). Fita métrica passa pela glabela e o ponto mais saliente do occipital.

Com um ano de idade a criança deve ter aumentado cerca de 10 a12 cm de PC e mais 10 cm nos 20 anos

seguintes; 80 a 85% do crescimento do Pc se faz até 4-5 anos e 95% até 6 anos.

O PC é maior que o torácico ao nascimento.

O PC é a última medida a ser comprometida nos casos de desnutrição..

 

 

Fontanelas

Anterior: fecha totalmente entre o 9º e o 18º mês de vida Posterior: fecha aos 2 meses. Pode não ser palpável

desde o nascimento.

 

 

Perímetro Torácico: medidas no primeiro ano de vida

Faixa etária

RN

3 meses

6 meses

9 meses

1 ano

 

 

 

 

 

 

Valor do PC

33 cm

40 cm

43 cm

45,5 cm

47 cm

É a medida da circunferência do tórax em centímetros.

Até os 2 anos de idade tem valor como índice do estado nutritivo; a seguir: influência do exercício. Fita métrica

passa pelos mamilos, com a criança em decúbito dorsal até os 3 anos de idade ou em pé no apêndice xifóide nos adolescentes com o tórax moderadamente cheio

 

 

Perímetro abdominal

È a medida da circunferência do abdômen. Tem valor relativo, pois a medição pode variar bastante num mesmo

indivíduo, se for realizada após a alimentação ou em caso de meteorismo excessivo. È útil para monitorizar a

evolução de certas patologias: ascite, tumores e visceromegalias.

Fita métrica passa pela cicatriz umbilical.

 

 

Perimetros

Até os 2 anos: aproximadamente PT = PC = PA; em seguida passa a predominar o PT Até 6 meses: até 6 meses

PC maior que PT; a seguir, PT ligeiramente maior que PC.